miguel (innersmile) wrote,
miguel
innersmile

non ho l'eta

Isto pode soar um bocado tolo, mas uma das manias que eu e as amigas com quem costumo ir fazer férias no verão temos, é estar a banhos no mar a cantar canções. É um bocado embaraçoso, é certo, mas tem a vantagem de criar à nossa volta uma espécie de perímetro de segurança, porque o resto dos banhistas afastam-se mal nos ouvem, por razões que, naturalmente, eles lá saberão. O espectro das canções é variadíssimo, ainda que haja uma certa preponderância de canções revolucionárias, de canções populares portuguesas e de êxitos pop dos anos 60 e 70. Old age oblige... Posso dizer que nas últimas férias, em Fuerteventura, quase todas as sessões de cantoria começavam, muito apropriadamente, com a Maré Alta, do Sérgio Godinho.

Uma das canções que mais cantámos nas nossas banhocas foi um velhíssimo êxito dos festivais de San Remo e da Eurovisão, o Non Ho L’Eta, da Gigliola Cinquetti (de 1964). É uma canção admirável na sua simplicidade, musical e liricamente, um êxito pop perfeito. Em meia dúzia de palavras conta uma história de amor, adolescente, comme il faut, com as coplas em tom intimista, um riff de guitarra eléctrica absolutamente clássico, e que depois explode, com os adequados violinos, num refrão romântico, tão romântico, de resto, que fala precisamente num ‘amore romantico’.

No passado fim de semana fui jantar com essas amigas e, claro, às tantas estávamos a cantar as nossas cançõezinhas de férias. Passei o resto do fim de semana com o Non Ho L’Eta na cabeça, a ver no Youtube clips sucessivos com gravações da Gigliola Cinquetti, em vários escalões etário, alguns dos quais em que ela já tem, obviamente, mais do que l’eta para sair à noite. A canção, que eu conheço desde miúdo, tem uma notável resistência ao desgaste, prova de que é de facto uma grande canção pop. Mas às tantas lembrei-me de uma coisa que me deixou a matutar. A brasileira Kelly Key, uma invenção da indústria para explorar o filão Britney Spears, tem duas canções em que o tema é a diferença de idades, a Baba, de que já aqui falei e que tem uma versão deliciosa da Maria Gadú, e a Adoleta, que até na sonoridade desta palavra faz lembrar o êxito velhinho da Gigliola Cinquetti. Claro que tudo pode não passar de uma coincidência, mas parece-me demasiado bom para não ser verdade.



Non ho l'età, non ho l'età per amarti
Non ho l'età per uscire sola con te
E non avrei, non avrei nulla da dirti
Perchè tu sai molte più cose di me

Lascia ch'io viva un amore romantico
Nell'attesa che venga quel giorno, ma ora no

Non ho l'età, non ho l'età per amarti
Non ho l'età per uscire sola con te
Se tu vorrai, se tu vorrai aspettarmi
Quel giorno avrai tutto il mio amore per te

Lascia ch'io viva un amore romantico
Nell'attesa che venga quel giorno, ma ora no

Non ho l'età, non ho l'età per amarti
Non ho l'età per uscire sola con te
Se tu vorrai, se tu vorrai aspettarmi
Quel giorno avrai tutto il mio amore per te
Tags: citações, clips, música
Subscribe
  • Post a new comment

    Error

    default userpic
    When you submit the form an invisible reCAPTCHA check will be performed.
    You must follow the Privacy Policy and Google Terms of use.
  • 5 comments