miguel (innersmile) wrote,
miguel
innersmile

o jardim dos perversos



Acabei de ler ontem à noite o livro O Jardim dos Perversos, da autoria de Fernando Duarte Rocha (edição Guerra e Paz). Em poucas palavras, o livro organiza-se como a memória ficcionada de um adolescente, na segunda parte da década de 70, habitante de um bairro periférico de Lisboa (no caso, Moscavide), e que basicamente ocupa os seus dias a jogar futebol, a roubar discos e livros e a alinhar com homossexuais a troco de dinheiro e a quem acaba por assaltar. Nos intervalos reúne-se com os amigos e companheiros de aventuras no jardim do bairro, o que dá o título ao livro. Suponho que este relato terá muito de autobiográfico, de memórias próprias do autor, mas isso é perfeitamente secundário, pois a partir do momento que é filtrado pela literatura passa a ser ficção.

A primeira nota interessante do livro tem a ver com uma questão geracional: o autor tem a minha idade, o narrador e protagonista também, e há todo um quadro de referências comuns, sobretudo culturais, como as bandas de rock, os discos de vinil e os livros e autores, mas também de acontecimentos e do próprio ambiente politico e social da época.
Para além desse quadro de referências o autor consegue traçar um retrato bastante impressivo e fiel do que era efectivamente o Portugal urbano (quase exclusivamente lisboeta, dado que o país na altura era essencialmente rural) dessa altura, e de como era ser adolescente nesse Portugal. Como referi resulta do livro um determinado ambiente social e de mentalidades que está bastante bem conseguido. Acho que não há ninguém que tenha vivido esse tempo que não vai reconhecer no livro o país em que viveu.
Muito do que era a vivência da homossexualidade nesse tempo está igualmente retratado no livro, quer no que respeita aos jovens protagonistas (a prostituição, os assaltos aos homossexuais, a pedofilia em modo português suave, o Terminal do Rossio e o Imaviz, a praia da Caparica, etc) quer no próprio retrato, ainda que fugaz e obviamente limitado, que acaba por resultar do que era ser homossexual em Portugal ou pelo menos uma certa vivência da homossexualidade.
Aliás a este respeito lembrei-me muito de um livro do Guilherme de Melo (que de resto prefacia o livro de Fernando Duarte Rocha), publicado creio que ainda em finais de 70 ou então logo no início dos anos 80, intitulado, penso eu que não tenho aqui o livro para confirmar, A Homossexualidade em Portugal, cujo retrato, tanto quanto me lembro, não anda muito longe do que resulta deste Jardim dos Perversos.

Como aspectos mais frágeis, destaco uma linguagem um pouco naive, por vezes mesmo um pouco kitsch, que nalguns casos acaba por estragar o ambiente do livro por se tornar um pouco risível. Dou o benefício da dúvida ao autor de tentar criar uma linguagem própria para o personagem, coerente com o seu carácter, mas o autor tem o narrador e personagem tão colado a si, que não é muito crível que assim seja.
Outro aspecto que achei menos conseguido tem a ver com o facto de o narrador por vezes se dispersar em expor os seus pontos de vista sobre temas pretensamente sérios. As suas opiniões são, regra geral, pouco elaboradas e por isso não muito interessantes, e além disso provocam quebras num ritmo narrativo que é geralmente muito bom. Estou-me a lembrar, por exemplo, de um capítulo que relata um encontro com duas testemunhas de Jeová que, para falar com franqueza, não tem interesse, não contribui nada nem para a narrativa nem sequer para o desenho da personagem.
Ao contrário, gostei particularmente dos pequenos interlúdios com memórias de infância do narrador, não só porque ajudam a caracterizá-lo melhor, mas também porque nos dão informação interessante acerca da época.

Em suma, e embora não se tratando de uma obra literária de grande fôlego, achei o livro muito interessante, escrito com ritmo e com sentido da narrativa, e que é indispensável para quem tem memória dos anos 70 e de como era o país em que vivíamos nesse tempo, mas também para quem tem curiosidade em ficar a conhecer melhor o que era ser jovem, ou talvez com mais rigor o que era um dos modos de ser adolescente no Portugal a seguir à revolução de Abril.
Tags: fernando duarte rocha, livros
Subscribe
  • Post a new comment

    Error

    default userpic
    When you submit the form an invisible reCAPTCHA check will be performed.
    You must follow the Privacy Policy and Google Terms of use.
  • 6 comments