miguel (innersmile) wrote,
miguel
innersmile

balanço II - espectáculos

Quanto ao balanço de espectáculos e concertos, foi um ano desequilibrado: não vi quase nenhum teatro, muito pouca dança, mas em compensação vi alguns bons concertos. Mas uma boa maneira de começar este inventário, até para que sirva de lição no futuro, é registar os dois concertos que não vi e que me torci todo por não ter visto, os da Patti Smith e de Rufus Wainright. Ok não ajudou serem em Lisboa, e pelo menos o do Rufus ser a meio da semana, mas mesmo assim devia-me ter esforçado um bocadinho mais para ir ver. No cookies for me, portanto.

Concertos:

- Amélia Muge, Culturgest
- Chilgildrin, TAGV
- Vitorino, TAGV
- Alabama 3, TAGV
- George Michael, Estádio de Coimbra
- Andrew Bird, TAGV
- Carlos Bica e Azul, TAGV
- Eugénia Melo e Castro, TAGV
- Maria Bethânia, CAE Figueira
- Orquestra Gulbenkian, dir, Joana Carneiro, com António Rosado, TAGV
- Police, Estádio do Jamor
- Caetano Veloso, no Coliseu em Lisboa e no Pav. Multiusos em Coimbra
- Mark Kozelek, Santiago Alquimista
- Jane Birkin, Teatro Aveirense
- Tcheka, Teatro Aveirense
- Gonzales, Teatro Aveirense
- Vinício Capossela, Teatro Aveirense

Dança:

- Daqui em Diante, de Olga Roriz, TAGV
- Programa Primavera, CNB (coreografias de William Forsythe, Mauro Bigonzetti, Gagik Ismailian e Olga Roriz), Teatro Camões
- Malgré Tout, Nous Étions Là, de Paulo Ribeiro, TAGV
- Masculine, de Paulo Ribeiro, TNSJ

Teatro:

- La Traviata, pela Ópera Estatal de Ektarinburg, TAGV
- Macbeth, encenação de Bruno Bravo, TAGV
- Música no Coração, encenação de Filipe La Féria, Teatro Politeama.


Os quatro espectáculos de dança foram muito bons, mas o destaque tem de ir para as duas coreografias de Paulo Ribeiro, sobretudo para Malgré Tout, Nous Étions Là, um dos mais bonitos e comoventes espectáculos que eu vi. Alguns concertos absolutamente inesquecíveis, dos quais destaco os de Caetano Veloso (cada concerto de Caetano é sempre um reencontro e uma descoberta) e Maria Bethânia (uma celebração mística e uma fonte de energia), o da Amélia Muge (que é a melhor criadora de música popular portuguesa e isso percebe-se ainda melhor ao vivo, e o da Jane Birkin que, mais do que um concerto, foi um verdadeiro affaire romântico e inteligente.
Tags: concertos, dança, inventários, teatro
Subscribe
  • Post a new comment

    Error

    default userpic
    When you submit the form an invisible reCAPTCHA check will be performed.
    You must follow the Privacy Policy and Google Terms of use.
  • 0 comments