October 26th, 2017

rosas

a sweatshirt



Comprei a sweatshirt em Londres, há muitos anos (seguramente mais de quinze), numa loja da Gap que havia numas galerias comerciais em Oxford street. Comprei muita roupa nessa loja, a maior parte dela ainda conservo, mesmo que já não use, como um casaco de bombazine que eu adorava e que era o meu casaco das viagens . Mas as t-shirts ainda as visto, e há poucos meses, quando emagreci muito, fui recuperar um velho par de calças, que usei todo o verão. Agora já recuperei peso, e já não me servem outra vez.

A sweatshirt sempre me ficou um pouco grande, mas sempre foi a minha peça de roupa preferida para usar em casa. Nos últimos tempos degradou-se muito. Os punhos ficaram puídos, o cós com marcas dos dentes do gato, que finalmente roeu a parte da frente e fez um buraco enorme mesmo por baixo do logo.

Encomendei na loja online uma sweatshirt nova, da mesma cor e igualmente largueirona e confortável, para a substituir. Como já chegou a encomenda, já pus a sweatshirt de lado, para mandar para o lixo. Ou para fazer panos do pó, whatever, a D. Graciete amanhã logo decide o destino que lhe há-de dar. Mas detesto desfazer-me destas coisas velhas, que andaram comigo durante muitos anos. Felizmente agora há o Instagram e os blogs. Assim a sweatshirt pode ficar a pulsar na eternidade eléctrica do espaço virtual.

Como no poema de Borges, durará "mas allá de nuestro olvido".