?

Log in

No account? Create an account

a voz e o seu canto
rosas
innersmile
É preciso voltar ao assunto. Porque ficou muito por dizer, ficou tudo por dizer. Porque a essência, pela sua natureza, escapa à definição. Porque a voz, e em concerto isso acontece ainda com mais intensidade do que nas gravações, é uma abstracção. É intangível e inefável. Só por ser uma abstracção é que sentimos um arrepio quando a ouvimos. A voz atinge um lugar onde não conseguimos ir, aonde não há palavras que nos transportem. Esse lugar fica dentro de nós, é o lugar mais recôndito e inacessível de nós. O lugar em nós onde existimos para além, ou para aquém, do que nos rodeia, da vida quotidiana que nos alimenta e desgasta. Somos de certa forma abençoados quando conseguimos viajar até esse lugar, sem que essa viagem assuma proporções que nos escapem completamente ao controlo. Poder ir, e regressar de modo mais ou menos incólume. É esse o privilégio, raro, que a voz e o seu canto nos concede.



[Este clip da Sílvia Pérez Cruz a cantar o Cucucurrucucu Paloma, na noite de 27 de maio, foi gravado pela minha amiga Ana, lá da última fila do gigante auditório, para onde a obriguei a ir. Vê-se longe, eu sei, mas ouve-se muito]