October 7th, 2016

rosas

dust myself off

Se tudo tivesse corrido de acordo com o planeado, tinha um bilhete de avião e devia estar, mais ou menos a esta hora, a embarcar para São Paulo. Ía passar dez dias de férias com o meu Amigo, para matar saudades mas principalmente para ficar a conhecer melhor a sua vida, a sua geografia, as suas referências. Ía também aproveitar para visitar uma das minhas familiares mais queridas, e a sua bebé.

Não quero choramingar, mas mais uma vez a vida foi cruel comigo. Não cruel no sentido mais sádico do termo, mas de uma crueldade irónica, como um menino perverso a brincar com a formiguinha. A pôr-me à prova, mais uma vez, a ver se sou capaz de aguentar mais este golpe e não me afundar muito no charco. A ver se, mais uma vez, consigo sair desta mais ou menos incólume: 'dust myself off' e adiante!

Mas desta vez fiquei triste e zangado, acho que agora a brincadeira passou um bocadinho dos limites. A vida deu-me um Amigo, e agora entretém-se a trocar-nos as voltas. E estou zangado por mim, mas também por ele, que não merecia apanhar um susto e que deve estar a passar também por uma razoável dose de inquietações. Mas como ele acredita na teoria do copo meio cheio, espero que a vida não seja tão sacanita com ele.

De qualquer forma a passagem aérea não se perdeu. Pode ser que um dia destes, mais cedo do que mais tarde, a vida esteja numa das suas fases mais generosas. Há sempre qualquer coisa muito boa que pode estar à nossa espera a seguir à próxima curva da estrada.