July 29th, 2016

rosas

graça

Não sou propriamente fã deste Papa, não porque antipatize com Jorge Bergoglio, mas porque não tenho nenhum apreço pela figura papal, e não acho que Francisco tenha trazido para a Igreja Católica qualquer contributo que dissipe ou diminua o papel obscurantista e supersticioso que as religiões desempenham nas civilizações actuais. Por outro lado, não me comove o poder iconográfico das imagens mediáticas: se há alguma coisa que aprendemos nesta era de saturação da representação fotográfica, é que uma imagem mente mais do que mil palavras.

Isto para dizer que me emocionei com as imagens da visita de Francisco aos campos de concentração de Auschwitz-Birkenau. Sobretudo com a opção que fez de fazer esta visita em solidão (enfim, a solidão possível, tratando-se de quem se trata): “Sozinho, entrar, orar. E possa o Senhor conceder-me a graça de chorar”.