August 14th, 2015

rosas

abraços

Irritam-me as frases feitas. Claro que já todos as usámos, e por vezes não há melhor maneira de falar num determinado assunto do que recorrer a um lugar comum ou a um cliché. Mas irritam-me aquelas frases que estão na moda, que ouvimos constantemente a serem repetidas, aquelas que as pessoas usam porque lhes soa bem, porque querem usar palavras que lhes parece terem uma certa ressonância solene, mas que verdadeiramente papagueiam sem atentar sequer no seu significado.

Uma das expressões que agora estão na moda, sobretudo em contextos profissionais, é “abraçar um projecto”. Que nervos, que prurido! Como o meu trabalho tem sido, nos últimos anos, muito ligado à área dos recursos humanos, é inacreditável a quantidade de vezes que ouço pessoas dizerem-me que decidiram “abraçar o projecto”. Apetece-me logo perguntar-lhes a razão pela qual, se abraçaram o projecto, porque raio também não o beijaram?!

Ainda um dia destes estava a fazer entrevistas de selecção e lá aparece um cavalheiro (o único homem num grupo de vinte candidatos), todo assertivo e com um discurso muito organizado e ensaiado, que às tantas, justifica uma determinada decisão profissional porque lhe fizeram um convite e ele decidiu abraçar o projecto.

Por pouco não rebentei à gargalhada; é que nessa mesma manhã tinha ouvido no rádio uma série de entrevistas a pessoal que tinha ido mais cedo para Paredes de Coura para aproveitar as condições da zona e fazer uns dias de férias de campismo antes do festival, que julgo ser este fim de semana. E então lá se ouve um entrevistado, com sotaque nortenho, a dizer que era a primeira vez que ali estava, que nunca tinha ido a Paredes de Coura, mas que os colegas o tinham convidado e ele decidiu abraçar o projecto!