August 4th, 2015

rosas

o evangelho segundo jesus cristo



Cumprido o projecto de ler um livro de Saramago por ano, desta vez o polémico Evangelho Segundo Jesus Cristo. Não foi o meu livro preferido de Saramago, mas é um livro poderosíssimo, e percebo bem o incómodo da igreja católica, e dos círculos mais conservadores a ela ligados, com esta obra. E não é tanto, parece-me, pelas acusações contidas no romance à violência a que a igreja católica recorreu ao longo da sua história, ou pelos aspectos mais caricaturais do romance, como a relação matrimonial, e carnal, entre Jesus e Maria Madalena.

O romance é muito mais subversivo do que isso - cria um deus à semelhança do pior que o homem tem, caprichoso e vingativo; e cria um homem que se agiganta quando, na hora da sua morte, se rebela, preferindo morrer como rei dos homens do que como filho de deus.

Como acontece sempre, o melhor dos livros de Saramago é o seu narrador, e mais uma vez isso acontece neste livro tão sério, onde o humor e a ironia do autor não deixam de estar presentes (por exemplo, opondo o deserto ao jardim de São Pedro de Alcântara por, ao contrário deste, não ter bancos para as pessoas se sentarem…).