?

Log in

No account? Create an account

this blogging life
rosas
innersmile
Tenho pensado muito nos últimos dias em alterar a minha actividade diaristica on-line. No mês que vem faz 14 anos que mantenho o innersmile, não exactamente todos os dias mas com muita regularidade, e por um lado estou um bocado cansado, não de escrever mas do formato; e por outro lado sinto que é uma actividade cada vez mais solitária. Quase todos os blogs que sigo estão abandonados ou suspensos, e apesar de eu escrever sobretudo porque me apetece (escrevo “porque” e não “para”) muitas vezes sinto que estou a escrever para o boneco, que já ninguém lê isto, e os poucos que lêem não querem saber, não se dão ao trabalho de comentar, ou interagir de alguma maneira, e, juro que não me estou a queixar, porque a maior parte das vezes isto não tem grande interesse. Confesso que tenho pena de ter perdido alguns leitores que eu gostava muito que me lessem, e isso também me ajuda a estar um bocado desanimado com o innersmile.

Como disse não estou cansado de escrever, nunca me canso disso, porque quando não me apetece não escrevo, e passado pouco tempo volta a vontade de escrever. Gostei muito de uma experiência que o Eduardo Caxa fez de manter uma espécie de blog na sua página do google plus, apesar de ele próprio ter considerado a experiência não muito conseguida. Isso dar-me-ia maior liberdade, podia publicar textos mais elaborados, o tipo de coisas que ponho no innersmile, mas também coisas mais instantâneas, links, clips de video, fotografias. Também o podia fazer no facebook, mas não gosto nada do facebook, acho sempre que não tenho controlo nenhum sobre a plataforma, não a domino nem sequer a entendo. Além disso, no google plus estão algumas das pessoas que ainda gosto que me leiam.

Pensei assim ser mais regular a pôr coisas no google plus, fazer dele o meu poiso mais consistente, e eventualmente manter o innersmile só mais como arquivo, não apenas do que já lá está publicado mas também de alguns textos que me apetecesse guardar, porque as coisas no google plus são muito voláteis, os posts duram pouco por lá, e eu, por diversas razões, ando muitas vezes à procura de informações ou referências em textos antigos do innersmile.

Isto seria tudo muito bonito se eu conseguisse abandonar o innersmile. O problema é que não consigo, não tenho coragem. São muitos anos, são milhares de textos (quase quatro mil entradas), faz parte da minha vida, e é muito da minha vida que aqui está. Era mais fácil se os russos puxassem a tomada e descontinuassem a plataforma. De outra maneira, por minha iniciativa, acho que não consigo. Apesar de por vezes estar cansado e até me sentir um bocadinho prisioneiro do innersmile. Mas parece-me que sou como o outro, não saio com pulseira electrónica. Ou seja, acho que vai ficar tudo mais ou menos na mesma.

Cá está, uma das razões porque gosto de escrever é porque me ajuda a pôr as coisas em perspectiva, a pensar sobre elas, a cristalizá-las. Podemos andar a pensar dias sobre uma coisa qualquer que anda às voltas na nossa cabeça; mal a passamos a escrito, tudo vai ficando mais claro. Como comecei por dizer, ando há dias a pensar nisto. À medida que ia escrevendo o texto, foi ficando sempre mais óbvia a conclusão do parágrafo anterior.