January 8th, 2015

rosas

todos os dias me falta uma palavra nova

Todos os dias me falta uma palavra nova.
Hoje uma. Amanhã outra.
Todos os dias me esqueço, aos poucos, do nome,
do lugar das coisas,
do ritual da memória.
E vou perdendo a noção do tempo,
das esperas ansiosas ou angustiadas,
das horas que se escoam enquanto aguardo.
Todos os dias me parece mais verde
a copa das árvores sem nome,
os frutos da laranjeira no jardim,
o amarelo ácido dos limões de que,
hoje, apenas já recordo a cor.
Já não me lembro da cor do céu, ou do seu nome,
mas sei que ele está lá fora,
para lá das portas, das janelas,
da salinha de sempre, de todos os dias,
nos seus tons cinza-azulados.
Um dia reconhecer-te-ei ao chegares,
mas de ti já só saberei o desenho do rosto.