?

Log in

No account? Create an account

lucy
rosas
innersmile
Já há muitos anos que não via um filme realizado pelo Luc Besson que, parece-me, nos últimos tempos tem-se dedicado mais à produção. Nos anos 80, Besson fez um dos meus filmes favoritos de todos os tempos, Le Grand Bleu, de que eu gostei tanto que até doía, e que me fez apaixonar em doses iguais pelo Jean-Marc Barr e pela Rosanna Arquette. Vi-o vezes incontáveis, em video cassete e depois em DVD (além de pelo menos duas vezes no cinema, mas parece-me que terão sido mais), até ao dia em que tentei e já não o conseguia ver mais. Havia ali uma inocência que eu devo ter perdido. Ou então, sei lá, o filme lembrava-me a idade em que, como dizia o outro, tinha todos os sonhos do mundo. Mas ultimamente anda-me a apetecer rever o filme, se calhar um dia destes volto a ele.

O Luc Besson tem a mania que é esperto, independentemente de ser ou não, e faz filmes com tiques, para fazer um statement do tipo: vejam como eu sou um autor, mesmo a fazer filmes de pancadaria. É um pouco isso que se passa com este Lucy, uma história bem bolada, com um olho na ficção científica e outro na incapacidade da ciência de explicar aquilo que nos está mais próximo, ou seja o próprio corpo, contada com muitos maneirismos narrativos, visualmente muito saturado, e que intervala trechos de show-off de documentário televisivo de ciência, com outros de pura acção, de pendor gore, inspiração chinesa (por aí: Hong Kong, Coreia do Sul ou, no caso vertente, Taiwan).

Parece que estou a dizer mal do filme, mas o ponto é que o achei muito divertido e eficaz. Gostei da ideia de criar uma história a partir do facto de utilizarmos apenas uma pequena parte das nossas capacidades cerebrais, especulando sobre o que aconteceria se pudéssemos utilizar a totalidade dessas capacidades. Gostei da Scarlett Johansson. E dos efeitos especiais e da banda sonora. Não é uma obra-prima, pois não, mas 90 minutos de entretenimento já é razoável. E depois é das tais coisas: amei tanto o Le Grand Bleu que estou sempre disposto a gostar de um filme do Luc Besson.
Tags: