?

Log in

No account? Create an account

reality show
rosas
innersmile
Como pano de fundo desta crónica das últimas horas, o reality show do BES que nos deixa a todos estupefactos pela perspectiva de desmoronamento de um grupo financeiro que sempre se apresentou como sólido e de quem sempre se disse que era quem mandava em Portugal. É uma espécie de Big Brother, ou melhor: Big Cousin, em que o Banco de Portugal faz as vezes de Teresa Guilherme.

Ontem à noite, num programa da SIC, e ainda a propósito dos novos bosses do BES, Pacheco Pereira chama a atenção para o pequeno círculo de pessoas que toma todas as decisões importantes no país. Logo a seguir, o verniz ameaça estalar entre os comentadores, quando trocam veladas ameaças de denúncia: Pacheco Pereira “acusa” Lobo Xavier de pertencer a esse pequeno círculo de interesses e influências; Lobo Xavier ameaça António Costa com uma tirada ao estilo de ‘é melhor estar caladinho’ a propósito de socialistas envolvidos em escândalos, atirando, entre outros, o nome de Armando Vara.

Hoje de manhã acordo com declarações de Daniel Bessa, que foi ministro da economia do governo Guterres e é um dos gurus socialistas na área económica, proferidas ontem numa conferência no Porto. Por entre gargalhadas bem audíveis da assistência, e comparando a crise portuguesa ao 11 de setembro, Daniel Bessa comparou o ex-primeiro ministro José Sócrates ao egípcio que ia aos comandos do avião que chocou contra o WTC de Nova Iorque, e que o verdadeiro mentor do atentado financeiro foi o banqueiro central, numa clara referência a Vitor Constâncio.

Ao pequeno-almoço, uma reportagem no noticiário da TV dá conta de que o presidente do BPI, Fernando Ulrich, afirmou ontem num evento académico que a crise do BES é como um abcesso na recuperação da economia portuguesa, enunciando três questões que importa esclarecer: relações com Angola, as relações com a PT, e as relações do banco com o grupo que manda nele. À saída, confrontado com estas declarações pelos jornalistas, Ulrich respondeu que não tinha dito nada.

E pronto!, é isto. É isto que temos, é isto que somos, é isto que são as nossas elites.
Tags: