?

Log in

No account? Create an account

sérgio godinho
rosas
innersmile
Grande concerto ontem, do Sérgio Godinho, no TAGV. Sob o tema, aliás inscrito no cenário, ‘Liberdade’, Sérgio revisitou temas do seu repertório de quarenta e picos anos de canções, privilegiando aquelas com mais acentuado conteúdo político, quer numa versão mais explícita e de intervenção (como Maré Alta ou A Paz, O Pão) quer num tom mais íntimo e reflexivo. Grandes grandes canções, a lembrarem, no ano do 40º aniversário do 25 de Abril, que um cantor tem responsabilidades cívicas e políticas, para mais em alguém que nesse ponto de vista foi sempre coerente e, no sentido mais nobre da expressão, interventivo.

Do ponto de vista musical foi igualmente uma ocasião festiva e privilegiada, com as canções do Sérgio Godinho a passarem muito bem para um registo mais eléctrico, rockeiro, que me fez lembrar os mais recentes discos, e concertos, do Caetano Veloso. O Nuno Rafael é um músico e guitarrista extraordinário, assim como todos os restantes elementos da banda: Miguel Fevereiro (guitarras e percussão), Nuno Espírito Santo (baixo), João Cardoso (teclados) e Sérgio Nascimento (bateria). A coisa resultou tão bem que é justo referir que houve determinados temas que foram tão entusiasmantes pelo seu arranjo e solução musical, como pelo facto de serem canções tão icónicas do Sérgio; assim sem pensar muito, estou-me a lembrar por exemplo da Lisboa Que Amanhece. Ou do arranjo para Os Vampiros, que assinalou, a par com uma canção inédita, a presença de José Afonso, como é marca habitual nos concertos do Sérgio Godinho.
Tags: