?

Log in

No account? Create an account

numbers
rosas
innersmile
109710

Estou a terminar a leitura de Numbers, o segundo livro de John Rechy, depois de ter lido, há poucas semanas, o seu primeiro romance, City of Night. Apesar da semelhança temática, as duas obras são diferentes: Numbers é, de certa maneira, uma obra mais ficcionada, enquanto em City of Night era muito nítida a ligação ao real, nomeadamente à própria experiência pessoal do autor. No entanto, Numbers inspira-se directamente na experiência de Rechy enquanto prostituto em Los Angeles, para criar uma personagem, Johnny Rio, e descrever um regresso á cidade dos anjos, durante dez dias, para fazer uma espécie de teste à sua capacidade de ainda ser um objecto do desejo masculino. Outra diferença de realce relativamente a City of Night, é que Numbers é muito mais explícito no que toca à descrição das actividades sexuais; mas apesar da ousadia gráfica (para os tempos pré- porno na internet, é claro) creio que, de qualquer modo, estamos longe da pornografia ou sequer da literatura erótica. Acho que o sexo é muito mais usado para chocar, com a crueza da linguagem, do que propriamente para facturar com o factor porno. Claro, é preciso contextualizar, e este livro foi publicado em 1967, quando, apesar de tudo, o mundo da homossexualidade masculina, literário e não só, era muito diferente do actual.

Há um aspecto muito interessante no livro, que já estava presente em City of Night mas é mais explicitado neste Numbers, e que é a forma como a personagem usa a prostituição para concretizar o seu desejo homossexual sem abdicar do seu quadro mental heterossexual: Johnny Rio entrega-se a outros homens, apesar de já não ser por dinheiro, apenas para se assegurar da sua condição de objecto do desejo, de deus cobiçado pela pulsão dos outros, e não porque ele próprio sinta desejo ou pulsão. Claro que é uma falácia, como de resto o próprio romance desmonta. Mas não deixa de ser curioso observar como este era um dos caminhos possíveis para viver a condição sexual, nos anos 60; esta forma de negação que é viver-se a experiência homossexual como uma forma ainda de afirmação heterossexual, era ainda muito comum quando eu era jovem, por exemplo na determinação dos papeís dos parceiros na relação: o activo não era verdadeiramente homossexual, apenas o passivo. Apesar de ultrapassada, estou convencido de que esta espécie de auto-desculpa para a transgressão, ou para a cedência, ainda é muito usada hoje em dia.

Há um outro aspecto que me prendeu ao livro: às tantas, comecei a ler um dos capítulos do livro e achei que uma das personagens daquele capítulo era o Christopher Isherwood; com esta referência, todos os pormenores que rodeavam a personagem batiam certo: o facto de ser escritor, a descrição física, o facto de ter um companheiro bastante mais novo e que era um aspirante a artista plástico, e até o círculo literário que se reunia na casa de Santa Monica, precisamente onde Isherwood viveu. No fim de ler o capítulo, fui ao segundo volume dos diários de Isherwood, referentes aos anos 60, e lá estavam as referências a Numbers e à presença daquela espécie de caricatura de Isherwood e de Don Bachardy. Não achei o retrato de todo negativo, mas também não é propriamente lisonjeiro, e apesar de nos diários, o Isherwood até ser um bocado blasé acerca do assunto, uma pesquisa na net sobre o tema, diz-me que a reacção não foi propriamente a melhor, sobretudo da parte de Bachardy, que achou que a inclusão do casal no livro tinha sido um acto de grande deslealdade.

um ano
rosas
innersmile
fotografia (1)

"Ah, fumarás demais, beberás em excesso, aborrecerás todos os amigos com tuas histórias desesperadas, noites e noites a fio permanecerás insone, a fantasia desenfreada e o sexo em brasa, dormirás dias adentro, noites afora, faltarás ao trabalho, escreverás cartas que não seráo nunca enviadas, consultarás búzios, números, cartas e astros, pensarás em fugas e suicídios a cada minuto de cada novo dia, chorarás desamparado atravessando madrugadas em tua cama vazia, não conseguirás sorrir nem caminhar alheio pelas ruas sem descobrires em algum jeito alheio o jeito exato dele, em algum cheiro estranho o cheiro preciso dele."

- Caio Fernando Abreu, MORANGOS MOFADOS


Fez ontem, dia 7 de abril, um ano que o Saint-Clair morreu.
O tempo suaviza o gume agreste da mágoa e do desgosto, mas não acalma o vazio de um impossível absurdo.