?

Log in

No account? Create an account

a naifa
rosas
innersmile
No primeiro concerto d’A Naifa a que assisti, aqui há uns dois anos, senti que foi assim uma espécie de conversão: saí do concerto absolutamente rendido ao universo musical da banda, ao seu imaginário poético, às melodias complexas e subtis, aos arranjos simples e imaginativos. E ontem à noite, no Cine-Teatro de Estarreja a sensação que tive é que muita gente que foi ao concerto assim um pouco às apalpadelas, também saiu de lá completamente submetido ao mundo d’A Naifa. A própria banda, pareceu-me, estava um pouco surpreendida com a receptividade do público (a Maria António referiu que era a primeira vez que tocavam em Estarreja) que, a princípio, esta um bocadinho de pé atrás, mas depois foi aderindo num crescendo, e o final foi em verdadeiro clima de festa.

Claro, ajudou muito o facto de algumas canções do mais recente disco serem muito familiares, nomeadamente a Tourada e a Desfolhada Portuguesa, nas quais o público participou de forma muito espontânea. Mas o que é notável n’A Naifa, uma banda com uma identidade muito marcada, é a maneira como sabem trazer esses temas tão conhecidos para o universo sonoro da banda.

Tudo foi bom. A música, o público, até o facto de se tratar de um concerto visualmente muito bonito. Enfim, se eu já era fã d’A Naifa, ontem acho que fiz a primeira comunhão. Mal posso esperar pelo crisma.

____
edit:
Ora aqui vai um printscreen da página do facebook d'A Naifa, com uma foto e um comentário ao concerto de ontem.

anaifa
Tags: