January 3rd, 2014

rosas

o equilíbrio da vida

unnamed (1) unnamed unnamed (2)


"E enquanto uma chora, outra ri; é a lei do mundo, meu rico senhor; é a perfeição universal. Tudo chorando seria monótono, tudo rindo cansativo; mas uma boa distribuição de lágrimas e polcas, soluços e sarabandas, acaba por trazer à alma do mundo a variedade necessária, e faz-se o equilíbrio da vida."

- Machado de Assis, QUINCAS BORBA (no Kindle)



Apesar de o ano já ir velho de três dias, encontrei este trecho do Quincas Borba que me parece muito adequado como resolução de ano novo (tal como o soneto de Camões, que aqui pus há atrasado, me pareceu ser o perfeito balanço do ano). Pela segunda vez consecutiva, inicio o ano a ler Machado de Assis, cada vez com menos dúvidas de que que se trata do maior prosador de língua portuguesa.

Na cafetaria da livraria há um chá de Ceilão que se chama Nuwara Eliya, e que é das melhores coisas que se possa imaginar. Além de que me traz à memória os dias passados no Sri Lanka, em especial nessa pequena terra a tantos metros de altitude, rodeada de hectares e hectares de plantações, que cobrem todas as encostas.

Um chá refinado e oloroso, que evoca dias felizes, bebido na chuvosa tarde de uma anónima mesa de café, no último dia do ano, em amena cavaqueira. Volta-se a página. Ou melhor, dá-se um toque com a ponta do dedo no ecrã do kindle.