December 23rd, 2013

rosas

moradas

unnamed (2)

ligo, passando os dedos pelas linhas invisíveis, os pontos com que se escreve a palavra amor. debruço-me para dentro da memória e, enternecido, não encontro outra morada tão feliz onde possa pousar a cabeça