?

Log in

No account? Create an account

taprobana, ida e volta. 3/12
rosas
innersmile
23.3.2013 (sábado - 2ª parte)
Claro que a chegada a Colombo não tem nada a ver com a experiência do Dubai. O choque da pobreza, mas também os das gigantescas metrópoles asiáticas, do turbilhão imenso da mole humana, e da anarquia do trânsito (passámos do reino dos SUVs enormes, para os milhares de frágeis e minúsculos tuc-tucs!) Claro que fiquei logo rendido à mistura do calor tórrido, da humidade sufocante, de uma paisagem suburbana agreste, e da doçura das pessoas.

Depois de um banho (o primeiro em três dias) e do almoço, andámos a passear por Colombo. Entre landmarks do colonialismo britânico e as exuberâncias com que o governo, com a ajuda dos chineses, tenta reerguer o país e relançar-lhe a economia depois dos desvastadores anos da guerra civil, fomos visitar Gangaramaya, um dos principais templos budistas da cidade. Há uma elevação nos templos budistas que é muito transbordante, e que começa no próprio acto de apenas podermos entrar neles descalços. Visitei as várias salas com santuários (não sei se esta expressão será a mais adequada), o museu das oferendas, e dei duas voltas à gigantesca figueira sagrada (uma Bodhi Tree, ou simplesmente Bo Tree), reguei-a e formulei um desejo.

A tarde acabou no Grand Oriental Hotel, epítome do charme colonial, a beber chá no restaurante do 4º andar, com vista para o imponente porto de Colombo.

DSC06600

DSC06618

DSC06622

DSC06624

DSC06633

DSC06636

DSC06658

DSC06708

DSC06709

DSC06719
Tags: ,

oblivion (3*)
rosas
innersmile
Oblivion é um filme de ficção científica, com Tom Cruise no protagonista, e realizado Joseph Kosinski, que o baseou na sua própria novela gráfica. Quer do ponto de vista narrativo quer do visual, o filme cruza-se com outras histórias e outros filmes. Mas se nem sempre prima pela originalidade, o filme tem um sabor muito genuíno, percebe-se que quem o fez acredita na história e gosta de a contar. Além disso fez-me lembrar, nalguns pormenores, filmes da série B dos anos 70; por exemplo, nos diálogos, nem sempre muito bem desenvolvidos, ou no próprio retrato das personagens. Mas isso não prejudica o filme, antes lhe acrescenta verdade, e o entusiasmo do filme contamina o espectador.
Tags: