April 5th, 2013

rosas

joão paulo esteves da silva, a solo

Belo concerto a solo do João Paulo Esteves da Silva, ontem à noite, no auditório do Conservatório de Coimbra. A música do pianista atinge momentos de transcendência, que contaminam a plateia e a mergulham numa viagem que é tanto intelectual como espiritual. Eu já tinha assistido a um concerto a solo do JPES, há já uns anos valentes, e tenho dois ou três cd’s dele, mas nunca tinha sentido tanta intensidade no seu pianismo como ontem.

O João Paulo forma, juntamente com o Laginha e o malogrado e saudoso Bernardo Sassetti, um trio de ouro do piano jazz em português (que poderá vir a tornar-se um quarteto com o Júlio Resende, é esperar para ver), que, apesar de eu ser um leigo, é de altíssima qualidade. E creio que o JPES é neste momento a expressão máxima dessa qualidade.

A maior parte dos temas apresentados eram de improvisação pura, e, na minha opinião, foram os momentos mais altos do recital, que teve um arranque arrebatador. Houve ainda uma improvisação que foi parar a I Love Paris, de Cole Porter, e dois dos temas de música popular a partir dos quais JPES improvisa e que são, se não estou em erro, do disco Memória de Quem.

Foi pena a sala do conservatório ter ficado longe da lotação. A música do João Paulo Esteves da Silva merecia mais público. Mas assim fica a sensação de o concerto ter sido um privilégio para os happy few que lá foram.
rosas

datas

Hoje é dia 5.4.2013. Algarismos todos diferentes, e os primeiros cinco algarismos, mais o zero.
Pelas minhas contas, a última vez que tinha acontecido a data ser composta por algarismos todos diferentes, terá sido no dia 5.6.1987.

edit: afinal não, foi no dia 30.6.1987.