?

Log in

No account? Create an account

argh!
rosas
innersmile
Na segunda-feira fui nadar, depois de um mês sem piscina, e a minha auto-estima ficou toda lá em cima com o facto de ter nadado 1400 metros na boa, sem grande esforço, pelo menos depois dos primeiros 300 ou 400 que me custaram um bocadinho. Senti-me cheio de energia e força.

Na terça as coisas começaram a descambar. Primeiro foi o meu exame, que foi bastante incómodo e desagradável. Foi doloroso, mas suportável. O pior foi mesmo o incómodo, o mal-estar nas horas a seguir, o regresso dos sangramentos, e, claro, o fantasma do carcinoma. Ainda espero pelo resultado da histologia, mas creio que tudo estará bem, porque o médico foi muito confiante no resultado do exame clínico.

Depois, ontem a minha mãe baixou ao hospital para fazer, hoje, um tratamento ao fígado, uma tentativa de destruir os nódulos que tem no fígado e retardar o desenvolvimento do hepato-carcinoma. Trata-se de um procedimento relativamente complexo e delicado, apesar de não ser muito penoso para o doente e envolver riscos bem controlados. Hoje as coisas correram mal, ela teve de esperar muito tempo, enervou-se muito e descontrolou-se. Conclusão, teve uma crise de hipertensão grave e o procedimento teve de ser suspenso quando já estava a ser iniciado. Este procedimento é crucial, e eu não sei bem para quando o vão remarcar, nem como a vou convencer a fazer o tratamento. Ficou internada, espero que apenas até amanhã, a recuperar da crise de hipertensão, e a fazer antibiótico porque entretanto apanhou uma infecção.

Ou seja, estou aqui exausto, desanimado, sem ponta da energia e da força que sentia na segunda à noite. Além de que a isto tudo tem de se juntar o meu pai a derrapar em grande com a ausência da minha mãe, de quem ele está muito dependente.

Estas crises são horríveis, porque não sendo muito graves, são devastadoras, e depois um tipo demora algum tempo a recuperar um certo equilíbrio. Sinceramente, a única coisa que eu queria que me acontecesse nos próximos dois ou três dias era ir ao cinema, nadar mais umas piscinas, e apanhar um bocadinho de sol, que o meu bronze do Mar Vermelho empalideceu súbita e totalmente perante a vista do instrumento de metal com que me fizeram o exame à bexiga!