August 19th, 2012

rosas

more baby

Três dias no Algarve, em programa tripartido: manhãs de espreguiçadeira a estorricar ao sol, entre milhões de tugas e avecs em calções e biquini; almoços com douradas e robalos grelhados, e ameijoas à bulhão pato, com muita sangria, branca e tinta; tardes a babar violentamente com a minha sobrinha-neta. Agora passo por casa para regar as plantas e dar de comer às formigas, e se tudo correr bem na terça-feira vou outra vez pôr-me ao sol e de molho à beira de um mar um bocadinho mais distante.

Já o escrevi aqui: I'm so in love with the baby! É incrível, dois minutos depois de sair de ao pé dela, ainda não cheguei ao carro, e já só tenho vontade de voltar para trás só para olhar para ela mais um bocadinho. Houve um determinado período da minha vida em que pensei seriamente em adoptar um filho, mas nunca tive de uma forma muito avassaladora o impulso da paternidade, talvez porque, como aconteceu muitas vezes na minha vida, tenha quase sempre chegado um pouco tarde às coisas. Mas acho que todo eu estava aqui madurinho para ser avô, e a vida deu-me a mais fantástica e bonita das bebés. E além de amor, todo eu sou reconhecimento pelos pais da bebé, que parecem querer que eu ocupe um lugar na vida da sua filha.