April 17th, 2012

rosas

o coração do futebol

Piermario Morosini tinha 25 anos, e era jogador de futebol do Livorno, equipa da II divisão italiana. No Sábado, durante uma partida do campeonato, sofreu uma paragem cardíaca fulminante em pleno relvado. Mais um caso de morte súbita entre desportistas de alto rendimento, uma ocorrência tão estranha quanto chocante que parece estar a ser mais frequente nos últimos anos.

Piermario foi jogador da Udinese, que ainda detinha parte do seu passe desportivo. Jogava a médio, e fez a maior parte da sua carreira desportiva em clubes da série B, tendo sido internacional pela selecção italiana de sub-21.

Para além da morte brutal, choca ainda a maneira como a vida do jogador, tão jovem, foi marcada pela tragédia. Em 2001, quando tinha 15 anos, a mãe de Piermario morreu, e dois anos mais tarde, perdeu o pai. Ficou com os dois irmãos a cargo, ambos portadores de deficiência. O irmão acabaria por se suicidar. Resta apenas uma irmã, mais velha do que o jogador, e de quem ele era o único sustento. A Udinese, o Livorno e a própria federação italiana de futebol, e mesmo alguns colegas de Piermario, já assumiram publicamente o compromisso de garantir a subsistência da irmã de Piermario, que vive numa residência médica.

Mas o coração do futebol nem sempre cede, e ontem mesmo, Patrice Muamba, jogador do Bolton, da primeira liga inglesa, teve alta médica, depois de ter sofrido, em 17 de Março passado, durante a primeira parte de um jogo contra o Tottenham, igualmente uma paragem cardíaca. O coração de Patrice esteve parado durante 78 minutos, apesar de ainda em campo e já na ambulância que o transportou para o hospital, ter recebido manobras de reanimação, nomeadamente diversos choques com o desfibrilhador.