April 3rd, 2012

rosas

coriolanus 3*

Fui ver no fim de semana o filme Coriolanus, baseado na tragédia de Shakespeare, e que me lembro de já ter visto em palco, há muito tempo, encenada por Jorge Silva Melo.

Trata-se de uma das peças mais marcadamente políticas de WS, e Ralph Fiennes, na sua primeira realização, que acumula com o desempenho do protagonista, consegue manter o interesse no conteúdo político da peça, situando-a num conflito que evoca claramente o das Balcãs, ao mesmo tempo que deixa intacto o prazer maior que é acompanhar a linguagem de Shakespeare. Ou seja ‘ouve-se’ o filme com o mesmo sortilégio com que assistimos à representação das peças em palco, deixando-nos encantar pela música da linguagem, mas o filme é igualmente eficaz no modo como nos serve o essencial da análise da peça aos mecanismos do poder e da traição.

Ajuda muito à eficácia do filme o desempenho dos actores. Fiennes dá-nos um Coriolano intenso, alternando momentos de contenção com outros de energia explosiva. O resto do elenco não destoa, em particular o Brian Fox, que nunca perde a oportunidade de mostrar o estofo do grande actor que é. Mas a jóia da coroa tem de ir para a Vanessa Redgrave, no papel de Volumnia, a mãe de Coriolano, e que é um luxo ver representar.