March 23rd, 2012

rosas

aprés-midi

Estou numa reunião no terceiro andar do edifício. Pela janela fechada chega-me o som do motor de um cortador de relva, a trabalhar lá em baixo, no rés do chão, na estreita faixa ajardinada que separa o prédio da rua. Chega-me o odor, subtil mas perceptível, da relva cortada. Passados uns momentos, o barulho deixa de se ouvir, e o odor desaparece.

Era mesmo o cheiro de relva cortada que eu sentia, ou apenas a sua sugestão, provocada pelo ruído da máquina?