?

Log in

No account? Create an account

tutti frutti
rosas
innersmile
Segunda emissão do programa A Cena do Ódio dedicada ao tema da homossexualidade, com o seguinte alinhamento:

- Malher, 5ª (tema do filme A Morte em Veneza)
- George Michael, My Mother Had a Brother
- Jean-Claude Pascal, Nous Les Amoureux
- Frei Hermano da Câmara, Rapaz da Camisola Verde
- Little Richard, Tutti-Frutti
- Rufus Wainwright, Gay Messiah
- Queen, Somebody to Love
- Pet Shop Boys, Can You Forgive Her?
- Neneh Cherry, I’ve Got You Under My Skin
- Freddy Mercury, Love Kills
- Sérgio Godinho, As Armas do Amor
- Bruce Springsteen, The Streets of Philadelphia
- Cindy Lauper, True Colors
- Clã, Arco-Íris
- Ben Harper, Mamma Got A Girlfriend
- Carlinhos Brown, A Namorada
- George Michael, Outside
- Pet Shop Boys, New York City Boy
- Léo Ferré, Pensionnaires
- Sérgio Godinho, Lisboa Que Amanhece (duas versões)
- António Variações, Canção de Engate
- Lady Gaga, Born This Way
- Janis Ian, Married in London
- Madonna, Express Yourself

Mais um conjunto de belíssimas canções pop, apesar de ter achado o programa mais fraco do que o anterior. Houve menos surpresas, mas houve sobretudo bastantes repetições, e muito óbvias, ou melhor, muito fáceis. É fácil pegar na discografia dos Pet Shop Boys e descobrir canções gays. Ou na do Rufus, que repetiu da emissão anterior. E sobretudo há uma diferença entre canções de temática gay e canções que são feitas para apelar a um público gay, como as da Lady Gaga ou da Madonna.

Para mim, os pontos altos da emissão foram O Rapaz da Camisola Verde, sobretudo nesta versão, a original, de Frei Hermano da Câmara (teria sido mais fácil pegar na versão da Amália), o António Variações (estava a ver que não, já que compareceu quando o programa estava mesmo de saída) e principalmente a Janis Ian, com Married in London (obrigatório ir ouvir neste link, e ler a letra neste link).

Mas o pior é mesmo que ficaram de fora algumas canções absolutamente incontornáveis. A propósito do programa anterior já mencionei duas, The Lavender Song e o Sylvester, de quem podia passar qualquer canção, mas a mais natural seria You Make Me Feel (Mighty Real). Mais do que qualquer outra diva do disco, o Sylvester representa bem o modo como a cultura homossexual se apossessou do disco para o tornar a banda sonora de uma época e de um estilo de vida, e que faz parte da história da música popular.

You Make Me Feel, aliás, de que o Jimmy Sommerville fez uma versão incendiária, julgo que quando já cantava com os Communards. E, juntamente com os Erasure, a primeira banda do Jimmy Sommerville, os Bronski Beat, foram precisamente as ausências mais inexplicáveis, na minha opinião, do programa de David Ferreira e Catarina Limão. Há uma canção dos Bronski Beat, creio que o seu primeiro single, Small Town Boy, que foi um verdadeiro hino, pelo menos em Inglaterra, do orgulho gay. E por isso, para reparar essa falta, aqui fica o clip e a letra.

Já agora, fica também aqui o registo de que o site Polari Magazine (link) tem uma secção dedicada à LGBT Song Selection, que, como o nome indica, inventaria canções com temática homossexual. Na página da Polari no Vimeo podem-se encontrar os clips de todas as canções (link), nomeadamente de algumas canções que passaram nestas emissões da Cena do Ódio.



«You leave in the morning with everything you own
In a little black case
Alone on a platform, the wind and the rain
On a sad and lonely face

Mother will never understand
Why you had to leave
For the answers you seek will never be found at home
The love that you need will never be found at home

Run away, turn away, run away, turn away, run away

Pushed around and kicked around, always a lonely boy
You were the one that they'd talk about around town
As they put you down

And as hard as they would try, they'd hurt to make you cry
But you'd never cry to them, just to your soul
No, you'd never cry to them, just to your soul

Run away, turn away, run away, turn away, run away

Cry boy, cry, cry boy, cry, cry boy

You leave in the morning with everything you own
In a little black case
Alone on a platform, the wind and the rain
On a sad and lonely face

Run away, turn away, run away, turn away, run away»