?

Log in

No account? Create an account

the way back 3* + gianni e le donne 4*
rosas
innersmile
Ontem fui ao Porto, e além de me encontrar com uma amiga e de comer uma francesinha, vi dois filmes, no Arrábida.

The Way Back é realizado pelo Peter Weir, e isso bastava para me fazer ir ver o filme. Gosto dos filmes dele, que nunca se decidem bem se querem ser um épico ou um filme intimista. Este The Way Back inspira-se muito vagamente em factos reais, particularmente no relato de uma fuga de um grupo de prisioneiros de um gulag siberiano, e que atravessam a pé todo o continente asiático até à Índia.

O filme é produzido pela National Geographic e percebe-se porquê, há uma maneira grandiosa de filmar a paisagem (eu quase que diria que à la David Lean, versão Lawrence of Arabia). Mas Weir nunca deixa o filme transformar-se num documentário sobre a natureza, a narrativa nunca resvala. Mencionei o David Lean de propósito, pois The Way Back fez-me lembrar alguns filmes que eu vi em miúdo, em que um grupo de homens lutava tenazmente contra as adversidades da natureza. As cenas nos Himalaias, então, fizeram-me mesmo vibrar a corda da memória, mas por muito que me esforce não me consigo lembrar concretamente de quê.

Perdi o filme anterior de Gianni di Gregorio, Almoço de Quinze de Agosto, e bem arrependido estou, a avaliar por este Gianni e Le Donne. Que comédia deliciosa, a ajudar a matar saudades da época de ouro do cinema de comédia italiano. Apesar de não ser nada saudosista e de ter um tom perfeitamente contemporâneo, o filme de Gianni evoca de facto, e com muita intensidade, esse perfume das comédias sexuais que fizeram a glória do cinema italiano. Perfume de Mulher, claro, e o trocadilho é absolutamente intencional.

Para além de divertido, o filme tem um argumento tão bom, mas tão bom, que um tipo até se baba com aquela escrita tão irrepreensível, com tudo no sítio (ahum). Além disso está realizado com uma ligeireza de valsa, e a fotografia faz-nos querer ir apanhar a correr o primeiro avião para Roma. Ok, não será uma obra-prima, mas são os noventa minutos mais saborosos e divertidos que se podem passar este verão numa sala de cinema.
Tags: