?

Log in

No account? Create an account

christopher and his kind
rosas
innersmile
Christopher and His Kind é um telefilme inglês que acabou de passar no canal 2 da BBC, e baseia-se no livro do mesmo título da autoria do Christopher Isherwood, que, graças ao êxito do filme de Tom Ford A Single Man, tem sido de novo falado (e lido, espero) nos últimos tempos. Foi realizado por Geoffrey Sax.

Isherwood escreveu este volume de memórias sobre a sua vivência na Berlim de entre Weimar e o terceiro reich (durante um período de 10 anos, entre 1929 e 1939, com interrupções) em meados dos anos 70, por causa da necessidade que sentiu de clarificar o seu ponto de vista na sequência do sucesso do filme Cabaret, baseado nos seus romances sobre a época. Um dos pontos que pretendeu esclarecer, de resto, tinha a ver com a natureza homossexual das suas ligações, uma vez que o filme era completamente omisso em relação ao assunto.

Como não li o livro, não sei se o filme da BBC é muito ou pouco fiel. Mas gostei, de modo geral, apesar de achar que o filme pretende abordar vários assuntos e por isso é um pouco disperso e superficial na sua abordagem. Ora é uma história de iniciação afectiva e sexual, ora é uma crónica de costumes, ora é um exercício sobre a ascenção do nazismo e a perseguição aos judeus. Todos estes aspectos são de facto abordados, mas, como disse, falta ao filme ter uma perspectiva, focalizar-se num tema e fazer o resto do filme desenvolver-se em volta desse tema, ou a partir dele. Assim ficamos sempre com a sensação de que o filme sabe sempre a pouco.

A realização tem aquela qualidade escorreita dos produtos da BBC, mas falta ao filme mais intensidade visual, mais dramatismo. É pouco empolgante, a não ser, talvez, logo no início, quando Wystan, o poeta W.H. Auden de quem Isherwood era amigo e que o levou a Berlim, apresenta ao recém-chegado Christopher as delícias do sub-mundo homossexual berlinense.

Seja como for, é sempre bom podermos assisitir a obras que têm a ver com universos literários de que gostamos particularmente. Neste momento a minha filmoteca Isherwood já tem quatro títulos: Cabaret, A Single Man, Christopher and His Kind, e o documentário Chris and Don, sobre Isherwood e a sua relação com Don Bachardy. Ou seja, acho que já tenhos mais filmes do propriamente os livros que li do autor.