January 8th, 2011

rosas

noite de reis

Fui ontem à Oficina Municipal do Teatro ver Noite de Reis – Ou o Que Quiserem, de W. Shakespeare, pela companhia O Teatrão, numa encenação de Marco Antonio Rodrigues. Foi, tanto quanto me lembro, a primeira peça da companhia que eu vi, e a avaliar por esta tenho sido muito estúpido! O espectáculo é um delírio, extremamente fiel ao bardo, quer no texto quer sobretudo no espírito, mas de uma liberdade danada. Há como que uma desconstrução, não tanto do texto, mas da noção da peça em si, do texto enquanto espectáculo, enquanto, no final de contas, teatro. Uma peça muito divertida, tem momentos de altíssima comédia, de delírio puro, mas tudo, nem sei explicar muito bem, com muita consciência de si. Contribui muito para a eficácia do espectáculo, para além dos arrojos da encenação, o ensemble de actores, muito seguros (apesar de alguns tropeções no texto) nas suas prestações. Destaque para o Pedro Lamas (acho eu, que não conhecia bem os actores) no papel de Bobo, que é uma espécie de compére da companhia, um MC que vai transportando todo o espectáculo e estabelecendo a ligação com o público. Kudos para o Teatrão e para esta Noite de Reis, maneira promissora de começar o ano a ver teatro.