November 21st, 2010

rosas

the kids are all right

Ontem à noite fui ver The Kids Are All Right, uma comédia romântica, sobre o eterno tema do triângulo amoroso, mas com um twist: Nic e Jules são um casal de lésbicas, têm dois filhos, um de cada mãe, e ambos filhos do mesmo dador de sémen. Claro, quando os filhos decidem que querem conhecer o pai biológico (“he is not your father, he is your sperm donor”), as coisas vão-se complicar.

O argumento está muito bem escrito, e esse é o primeiro trunfo do filme. Além disso põe muito bem a questão central do filme, que muito mais do que a circunstância de se tratar de uma parelha homossexual, se foca na dinâmica da relação conjugal, na dança de papéis e poderes que se desenrola entre os parceiros dessa relação, e como acontecimentos mais ou menos fortuitos podem provocar ou acentuar o seu desgaste. A realização, de Lisa Cholodenko (que também é co-autora do argumento), é segura ainda que não muito imaginativa.

Mas o grande trunfo do filme são sem dúvida os actores: Mia Wasikowska (a bela Alice de Tim Burton) e John Hutcherson vão bem nos secundários, o Mark Ruffalo dá charme e adequação a um daqueles papéis de hippie requentado que podem facilmente resvalar para o ridículo. Mas são a Annette Bening e a Julianne Moore que fazem o filme, com uma cumplicidade e uma química que tornam absolutamente credível a relação conjugal e familiar, com aquela subtileza de jogo que nos faz acreditar completamente nas personagens.