September 9th, 2010

rosas

je vais et je viens

Acontece frequentemente, quase todos os dias: à hora de saída, bato-lhe à porta do gabinete e descemos juntos para a garagem. Um dia qualquer, por causa da minha mania de estar sempre a brincar com as palavras, devo-lhe ter perguntado, em francês: tu restes ou tu viens? Nunca mais o repeti, porque fiquei prisioneiro de uma espécie de loop mental. Entre o momento de desligar o computador e fechar o gabinete, consciencializo a decisão de lhe perguntar se desce ou se ainda fica. De forma mais ou menos automática, a minha mente formula a pergunta em francês: tu restes ou tu viens. No momento em que lhe bato à porta do gabinete, a minha jukebox mental já está a tocar com o volume no máximo: “Je vais, je vais et je viens, Entre tes reins, Je vais et je viens, Entre tes reins, Et je me retiens”.