August 13th, 2010

rosas

desmedida

Os jornais anunciam a morte de Ruy Duarte de Carvalho, escritor angolano, de origem portuguesa, que dividiu o seu talento pela ficção, pelo ensaio, pela poesia, mas também pelo cinema ou pela antropologia, a sua disciplina de formação. Era, à maneira renascentista, um homem de cultura, um intelectual, mas também um homem do mundo. Conheço muito pouco da sua obra, vi uma peça de teatro baseada num livro seu, e li um livro, Desmedida. De seu título completo Desmedida - LUANDA, SÃO PAULO, SÃO FRANCISCO E VOLTA. Crónicas do Brasil, era, não à vez mas ao mesmo tempo, um livro de viagens, um livro de antropologia, um livro de história, mas também um livro de aventuras, poético, cheio de histórias extraordinárias. Mas o que guardo dessa desmedida literária é sobretudo a escrita, a linguagem, um coisa profunda, intensa, densa, um daqueles livros que verdadeiramente nos aumentam, e dos quais saímos inevitavelmente diferentes do que eramos quando entrámos. Que esse livro, como aliás o seu autor, se coloque fora das fronteiras dos países, antes prefira esse lugar onde a língua e as culturas confluem em violentos conflitos e sublimadores encontros, dá a medida da sua importância para todo o espaço da lusofonia. É aí, acho eu, nesse ponto equidistante entre África, Europa e América, que o futuro reserva lugar a um dos maiores da cultura e da literatura em língua portuguesa.
rosas

quem quer ser milionário

QUEM QUER SER MILIONÁRIO

Tony e Andrew estão sentados cada um na sua poltrona, a olhar para a televisão, as pernas esticadas e os pés apoiados na mesa de centro, redonda e baixa. Louisa está sentada numa cadeira alta, de espaldar direito, e está ligada à máquina de oxigénio, que faz um ruído monocórdico, interrompido em intervalos de tempo regulares por um baque surdo.

São nove horas da noite, uma brisa muito suave começa a entrar pelas janelas abertas da sala, que ainda está abafada pelo calor extremo que se fez sentir durante o dia. Na televisão está a passar um concurso, Who Wants to Be a Millionaire, e Andrew interrompe o silêncio para responder, em voz alta, às perguntas que são feitas aos concorrentes. Louisa resolve o problema de palavras cruzadas da edição diária do jornal.

Enquanto segue com um mínimo de atenção o evoluir do concurso, Andrew pensa que se devia levantar para se ir embora, mas paralisa-o uma certa sensação de frescura. É a primeira vez, desde que saíu de casa de manhã, que não sente o tronco suado e a camisa a colar-se, vincada, às costas e ao peito.

"Eu devia ir-me embora", diz em volta alta. "Saí de casa há mais de doze horas, ainda não eram oito, e ainda aqui ando."

Sem levantar os olhos do jornal, Louisa disse: "E não estás bem aqui? Estás em casa dos teus pais."

"Sim, claro que estou bem, mas preciso de ir para casa, tomar um duche, mudar de roupa e comer qualquer coisa."

Após uma pausa, Andrew acrescentou: "Estou estafado. Muito trabalho e principalmente muitas horas a trabalhar. E depois com este calor..."

"Sim, tens razão", disse Louisa, "precisas de descansar."

Tony desviou os olhos da televisão em direcção ao filho. "Ora, és novo, estás na idade em que podes trabalhar, como eu trabalhei durante mais de quarenta anos."

"Novo, pai? Que idade é que eu tenho?"

Tony ficou calado, a olhar para ele, com um ar ligeiramente atrapalhado. Olhou rapidamente para Louisa, à espera de uma saída, mas a mulher continuou concentrada no jornal dobrado que tinha nas mãos.

"Então pai, diz lá quantos anos é que eu tenho?"

"Uh, então, quantos anos tens! Deves ter para aí uns trinta", respondeu num tom hesitante.

"Cinquenta, pai, tenho quase cinquenta anos."

Tony voltou-se para Louisa: "Então e o Mario, quantos anos tem o Mario?"

Louisa levantou os olhos do jornal, e respondeu com um tom paciente: "O Mario tem cinquenta e cinco anos, e o Andrew tem quarenta e nove."

"O Mario já tem cinquenta e cinco anos?", perguntou ele a Louisa.

"Sim", respondeu ela.

Andrew levantou-se, fez um aceno breve com a mão e dirigiu-se à porta da rua. "Myanmar", gritou já com a porta aberta. "Hipótese B: o actual nome da Birmânia é Myanmar."

Louisa olhou em direcção à porta, sorrindo. "As coisas que este rapaz sabe."