?

Log in

No account? Create an account

doenças, mortes e obituários
rosas
innersmile
De regresso de dez dias de férias na Síria e na Jordânia. A coisa é que estive sempre doente, ainda estou, e a única coisa que tinha mesmo vontade era de voltar para casa. Que desperdício! Quase não tomei notas, não tinha paciência nem forças, mas com a ajuda das fotos e da 'memorabilia' quero ver se faço umas entradas sobre as férias.

No regresso descobri que morreu o Malcolm McLaren. É impossível ter vivido o final dos anos 70 e os anos 80 sem saber e sem perceber quem foi e a importância que teve na cultura pop. Nem tanto pelo facto de ter sido o produtor (na realidade o inventor, o criador) dos Sex Pistols, e só isso já lhe daria um papelaço na história da música, mas sobretudo por ter criado, ou ajudado a criar uma ideia de pop que, para todos os efeitos, ainda subsiste. Em 1984, quando fui a Londres pela primeira vez, peregrinei à Kings Road, onde ainda havia uma Boy, a loja que abriu juntamente com a Vivienne Westwood, e onde nasceu a cultura punk. “Picassos movem-se por Londres”, chamou-lhes Caetano Veloso. Das várias tentativas de impor uma carreira musical em nome próprio, fica uma mão cheia de boas ideias, resultado de um apuradíssimo espírito de rapina e de uma enorme intuição para o que é a pop. Curvo-me, pois, à sua memória, e à influência que teve em mim e no meu gosto pela cultura popular. RIP, dear Malcolm.

A propósito de mortes, quem anuncia o final da blogosfera não deve ter uma conta no Google Reader. Tendo eu um número relativamente limitado de blogs e outras fontes de informação que sigo, cerca de meia centena, e que alguns estão abandonados, tenho ali perto de quatrocentas actualizações para ler. Se isto é estar morto vou ali já venho. Livra!