February 14th, 2010

rosas

redenção



Manhã de Domingo, fim de semana do Carnaval (e, absurdo dos corações solitários, dia de São Valentim). Acordo muito cedo, levanto o estore, à procura de um dia de azul e sol como o de ontem (as coroas de rei a abrir junto à janela da sala), mas a manhã está cinzenta, fria e baça. Feia e desinteressante, como as bancas das cozinhas. Pego no livro, à espera de redenção.