?

Log in

No account? Create an account

sabina freire
rosas
innersmile
Há já muito tempo que não via um espectáculo da Escola da Noite, aliás, nunca tinha ido ao Teatro da Cerca de São Bernardo, que é muito bonito. Felizmente vai havendo quem me tire da inércia preguiçosa, e fui ontem, último dia, ver o espectáculo Sabina Freire, co-produzido pela Escola e pela Companhia de Teatro de Braga.

A peça é de autoria de Manoel Teixeira-Gomes, escritor algarvio e vulto da história da I República, da qual foi presidente. De resto este espectáculo tem o patrocínio da comissão das comemorações do primeiro centenário da implantação da República.

O texto situa-se ali na ponte entre a comédia de costumes e a farsa de cariz social, pondo em confronto o Portugal profundo do moralismo clerical e provinciano, feito de proprietários da terra, poetas líricos e idiotas bajuladores, e o Portugal arrivista do cosmopolitismo parisiense, tão provinciano como o outro, mas disfarçado por um certo ar de licenciosidade. É este confronto que a encenação de Rui Madeira põe em evidência, tratando o palco quase como se fosse uma arena, acentuada pela imagem projectada do palco visto de cima, confronto do qual resulta, em final trágico, a morte desse Portugal lírico, galante, febril e tão ingénuo como inútil.

Mas para além desta leitura mais interventiva, chamemos-lhe assim, a peça é ainda a história de uma luta feroz travada entre duas mulheres, evadas de poder e ambição, que são, apesar de tudo o que as divide, mais parecidas do que parece, unidas que estão na luta pelos seus interesses. Os homens são fracos, são joguetes sem interesse, manobrados quando e como convém, meros adornos do salão e das vidas destas duas mulheres. A peça é inteiramente delas, e é nos momentos em que o confronto entre ambas se materializa e encena, que o espectáculo ganha em tensão, ritmo e desenvoltura.

Contribuem muito para isso as actrizes que defendem os papéis, a Sílvia Brito e a Solange Sá (embora em relação a esta a dicção nem sempre fosse perfeita, muito prejudicada pelo falso sotaque afrancesado), que dão espessura e profundidade a papéis que muito facilmente poderiam ficar prisioneiros de uma certa caricatura.
Tags: