November 29th, 2008

rosas

áustria, 2008 / 5 (fim)

20.11.08
(14:00)

Dia da partida.
Já saímos. Depois de um café num sítio enorme chamado Mocca Lounge, fomos ao Naschmarkt: comprei uma tarte Lindz, biscoitos, e pão para o almoço. Um pão escuro, cheio de sementes, delicioso. Vou fazer a mala, e mais logo vamos para o aeroporto apanhar o avião de regresso.

Ontem jantámos numa cervejaria ao pé do Volkstheatre, chamada 7 Stern Brau (falta o trema no U), e depois fomos para uma zona junto ao canal, no Franz Josefs Kai a que chamam 'o triângulo das bermudas', à procura de um clube de jazz. Chama-se Jazzland, é o hot club de Viena, e fica num esconso atrás de um prédio, ao fundo de umas escadas com um ar um bocado manhoso, numa cave minúscula de tecto abaulado e paredes de pedra. Entrada a €18 para ver uma dupla de músicos de Chicago, Erwin Helfner e Skinny Williams, em piano e saxofone respectivamente, a tocar blues, jazz e boogie-woogie. Três sets, das nove até depois da meia-noite, perante uma audiência entusiasmada. Entre os sets o Skinny, um matulão como o nome deixa adivinhar, andava pelas mesas a conversar com toda a gente. Comprei um cd, para o Skinny autografar, ele perguntou-me como é que eu me chamava, para fazer o autógrafo personalizado, e perguntou-se o que é que eu toco: 'What do you play, Miguel?'. Respondi-lhe que 'I just play low'.

Para se ver como a noite em Viena acaba cedo, apanhámos o penúltimo metro, à meia-noite e meia.