June 20th, 2008

rosas

safa...

Não gosto nada de sonhar, quer dizer de me lembrar dos sonhos. Detesto, sobretudo porque são quase sempre pesadelos, sonhos desagradáveis, aflitos. Hoje passei todo o tempo entre as cinco e as sete da manhã a acordar e a adormecer sempre às voltas com o mesmo sonho. Muitas vezes quando acordo a meio de um sonho tomo consciência do facto, ou seja de que estava a sonhar e a coisa passa. Mas hoje não, acordei várias vezes, inclusivamente de uma delas levantei-me, sempre aflito com a sensação de estar a viver uma situação desagradável, e de todas as vezes voltei a adormecer para regressar ao mesmo sonho.
Daquilo que me lembro começou quando eu regressei a um certo lugar (vem-me à ideia a cidade da Guarda, sabe-se lá porquê, mas nem tenho a certeza de que era mesmo assim no sonho), de comboio, e fui à procura do meu carro que tinha deixado estacionado num sítio qualquer parecido com um adro de uma igreja, à sombra de umas árvores. Não conseguia encontrar o carro e pensei que o meu receio de deixar o carro ali se tinha concretizado e que mo tinham roubado. Às tantas já não tinha a certeza se tinha mesmo deixado o carro naquele local, e o objecto do sonho passou da angústia de me terem roubado o carro para uma ansiedade acerca da possibilidade de eu me ter esquecido do sítio onde o tinha deixado estacionado e por isso não o conseguia encontrar. Entretanto lembrei-me de que quando tinha parado o carro trazia de passageiro um antigo colega de trabalho, que só não o nomeio porque, coitado do homem, não o quero azarar, e decidi telefonar-lhe para lhe perguntar se ele se lembrava de onde tínhamos deixado o carro. Entrei para dentro de uma casa que associo a uma enorme casa de estilo colonial, que me parece familiar mas não consigo identificar. Quando peguei no telefone para ligar ao tal antigo colega de trabalho ouço na rádio a notícia de que ele e a mulher tinham morrido nessa manhã. Fiquei completamente assarapantado com a notícia, mas ainda mais confuso por não saber resolver a questão do paradeiro do automóvel. Estava eu sem saber o que fazer quando felizmente tocou o despertador. Até que enfim.