?

Log in

No account? Create an account

o órgão
rosas
innersmile
Estava ali a ler o suplemento de fim de semana dedicado às artes e à cultura do jornal que costumo ler e li, numa recensão dedicada a um disco de um músico português, que lá pelo meio se ouve um "órgão circense"! Caramba, fiz um esforço de memória, apelando à fase da minha vida em que vi tanto circo que poderia fazer um mestrado sobre o assunto, e não me lembro de alguma vez ter ouvido um "órgão circense". Bombos, baterias, pratos, tambores (olha o rufo: 'e agora muita atenção, lembra-te Sarita, teu pai morreu neste número'), trompetes, saxofones, todo o tipo de gaitas e gaitinhas, violinos, serrotes, balões, bombas de ar de bicicletes, tudo isso me lembro de ouvir, agora um "órgão circense" não tenho ideia nenhuma. A que raio soará um "órgão circense"?
Tags:

minghella
rosas
innersmile
Li agora na net que morreu o realizador de cinema inglês Anthony Minghella. Só me lembro de ter visto três filmes de Minghella, The English Patient, The Talented Mr. Ripley, e Cold Mountain. O meu preferido é o Ripley, sobretudo por eu ser fã da personagem e da sua criadora, Patrícia Highsmith. Mas a fama de Minghella deveu-se sobretudo a The English Patient, com o qual creio que ganhou um Oscar. Não me lembro de ter visto o Truly Madly Deeply, mas acho estranho como é que não vi o filme. Mas a verdade é que não me lembro nada de o ter visto.
Os filmes de Minghella não eram 'totalmente bons', não eram grandes obras, exemplares perfeitos da arte cinematográfica. Havia até neles uma certa capacidade de provocar irritação, eram filmes um bocadinho pretensiosos, que pretendiam ter uma espécie de caução séria, artística, de que não eram banais filmes de entretenimento mas uma coisa mais importante.
Mas isso não impedia Minghella de ser um dos mais interessantes realizadores do actual cinema inglês, e de os seus filmes se distinguirem da massa amorfa em que se confundem, narrativamente, a maior parte dos filmes actuais. Eram obras pessoais, que pretendiam transportar uma perspectiva própria, e isso tornava-os, mesmo quando falhavam, objectos interessantes e que valia a pena ver.