?

Log in

No account? Create an account

le carré+lost
rosas
innersmile
A poucas páginas de terminar O Canto da Missão, o primeiro livro do John Le Carré que eu li. Confesso que a princípio me desiludi um pouco. O início do livro é suficientemente intrigante para nos prender à leitura, mas depois seguem-se quase duzentas páginas passadas numa conferência secreta que se arrastam e são um bocadinho aborrecidas. Isto, note-se, apesar de a escrita do Le Carré ser sempre muito ágil.
Mas no último cento de páginas a coisa agiganta-se verdadeiramente e elas lêem-se de um fôlego. Por um lado é a iminência de que está para acontecer qualquer coisa, por outro é o facto de Le Carré lançar granadas de fumo e cortinas e pistas falsas, e deixar sempre possibilidades em aberto, que nos fazem avançar sempre mais um pouco na leitura para tentar perceber o que está acontecer. Mas não é apenas a intriga que nos prende às páginas, é a própria escrita, que doseia muito bem uma certa elegância com a crueza das acontecimentos, um cinismo que nunca chega a ser ofensivo.
Se estas últimas páginas são um exemplo do que é a escrita habitual de John Le Carré, percebe-se porque é que ele é considerado um dos grandes escritores populares dos últimos anos.

Interrompi a leitura das últimas páginas do livro não só para prolongar o prazer da leitura, mas para ver os últimos episódios da terceira temporada da série Lost. Esta temporada não começou muito bem, houve mesmo um episódio que me irritou tanto que estive quase a desistir, mas depois de uma paragem de alguns meses arrancou para mais uma saga de reviravoltas e volte-faces que constituem o cerne da intriga. Analisada à lupa, a narrativa tem, não direi inconsistências, mas muitas facilidades e simplificações. Aquilo que se apresenta, num primeiro momento, como um problema ameaçador e inevitável, a maior parte das vezes resolve-se com uma facilidade que chega a ser irritante. Mas o próprio trabalho de escrita televisiva, a forma como a narrativa se vai organizando, como os diversos elementos são apresentados e introduzidos no momento exacto, com um fulgurante sentido do timing para nunca deixar a narrativa pousar ou amolecer, tornam esta série um dos meus maiores divertimentos televisivos.
Tags: ,