?

Log in

No account? Create an account

momento roma da semana
rosas
innersmile
Em agonia ao saber da morte do filho Brutus, colando ao próprio rosto a sua máscara fúnebre, Servília vai se prostrar à porta da casa de Átia, clamando o mantra "Átia do Júlios, exijo vingança", enquanto a escrava vai derramando sobre a sua cabeça as cinzas do filho morto. Ao fim de dois dias, Átia vem finalmente à porta para a insultar e, pensa ela, ouvir as invectivas de Servília.
Servília levanta os olhos para Átia e, sem pronunciar quaisquer outras palavras, invoca e lança a sua maldição: "Deuses do inferno, sou Servília dos antigos e sagrados Júnios, de cujos ossos foram feitas as sete colinas de Roma. Amaldiçoai esta mulher. Dai-lhe amargura e desespero toda a sua vida. Fazei com que a sua boca saiba a ferro e cinzas. Deuses do inferno, tudo o que me resta vos ofereço em sacrifício, fazei com que assim seja".
Em seguida, pega na adaga e enterra-a no peito, selando com o próprio sangue a maldição que acabou de proferir. A escrava arranca a espada do peito da dómina, procura com a mão livre o espaço intercostal por baixo do seio e mata-se também.
À porta da casa, Átia e Octaviana olham, paralisadas pelo horror. Pela expressão do rosto de Átia, restam poucas dúvidas de que a maldição surtirá efeito.


[Apesar da ajuda do guia de episódios do site oficial da série, este trecho do episódio foi, em grande parte, reconstituído de memória, pelo que as coisas, particularmente a fala da Servília, podem não se ter passado bem assim. Mas também não é muito grave se inventei um bocadinho, pois tanto quanto julgo saber, e não é muito, a mãe de Brutus sobreviveu muito tempo à morte do seu filho, tendo morrido de morte natural]