June 10th, 2007

rosas

música no coração

Pode-se não gostar do tipo de teatro que Filipe La Féria faz (e pode-se não gostar de musicais em particular) e pode-se até deplorar a estratégia puramente comercial que o produtor e encenador optou por seguir.
Mas uma coisa é inegável: La Féria produz teatro comercial de muito boa qualidade, conseguindo uma coisa que é muito difícil: ceder ao gosto popular, fazendo espectáculos que são para serem apreciados por um público vasto e pouco exigente, e não ceder um milímetro na qualidade da produção, antes pelo contrário: à medida que vai dispondo de mais meios, La Féria constrói espectáculos sempre mais elaborados do ponto de vista técnico.
Esta produção do clássico ‘Música no Coração’ está muito próxima daquilo que se pode considerar o paradigma dos espectáculos musicais, ou seja aquilo que passa nos palcos da Broadway e do West End. Não há pontinha de amadorismo, de desenrasca, de chanato. Tudo está como deve estar.
E o desafio não era pequeno (tal como já havia acontecido com o anterior My Fair Lady): montar um musical muito conhecido e popular, com uma matriz cinematográfica que faz parte da cultura pop, e por isso é por todos apreendida. E a verdade é que ao fim de poucos minutos do espectáculo estar a decorrer deixamos de fazer comparações mentais, neste caso com o filme de Wise, e passamos a usufruir, e gozar, o espectáculo por si.