February 17th, 2007

rosas

stranger than fiction

Tinha lido por aí muitas referências cruzadas de Stranger Than Fiction aos argumentos de Charlie Kaufman e isso estava-me a desmotivar de ir ver o filme. Não sou grande fã dos argumentos muito convulsos do Kaufman e nem sempre tenho disposição para aquele jogo que ele faz com a loucura, que me assusta demasiado para a poder tratar como brincadeira.
Afinal o filme saiu muito melhor do que a minha expectativa, e é interessante o realizador, Marc Forster, ter também realizado Finding Neverland, um filme que faz parte do meu top-ternura, e com o qual este tem a curiosa ligação de também ser uma história sobre literatura.
E é este aspecto, o da literatura e da relação do autor com os personagens das suas histórias, o aspecto que mais me fascinou neste filme, e não tanto a situação em si, ou seja, o facto de o filme ser sobre um tipo que descobre um dia que afinal é personagem de uma ficção que está a ser escrita.
Para além da narrativa escorreita e de uma óbvia ternura pela história, pelos temas e pelos personagens, o filme destaca-se ainda pelo conjunto notável de actores e interpretações: Will Ferrell está fantástico no papel de um homem demasiado conformado às rotinas da sua vida, e que se espanta com o seu próprio desejo de, por instinto de sobrevivência, romper essa rotina. Maggie Gyllendhaal, Emma Thompson, Dustin Hoffman e Queen Latifah compõem as restantes principais personagens, mas há duas outras presenças, muito breves, que devem ser assinaladas: a de Tom Hulce, o actor de Amadeus; e sobretudo a de Linda Hunt, uma actriz tão extraordinária quanto rara, a começar pelo facto de ser praticamente anã, e de ter sido creio que a única actriz que ganhou um oscar por um papel masculino (em The Year of Living Dangerously, de Peter Weir, Hunt fazia o papel do fotógrafo chinês que acompanha a personagem de Mel Gibson). Aliás, foi à procura de sinais e notícias da Linda Hunt que eu encontrei referências a este Stranger Than Fiction, e fiquei logo com muita curiosidade em vê-lo.