?

Log in

No account? Create an account

sera muy cierta
rosas
innersmile
No Sábado depois do almoço eu conduzia pela segunda circular na direcção de quem chega pela auto-estrada do norte e segue para Benfica. Vinha a ouvir um cd da Lila Downs, mais exactamente a canção Tirinque Tsitsiki do álbum Una Sangre. Lembro-me porque vim a ouvir toda a viagem os cds da Lila à procura justamente dessa canção, que é a que canto mentalmente quando estou a nadar para apanhar o ritmo das braçadas de crawl, e ela tinha começado a tocar quando saí da auto-estrada e entrei na segunda circular.
Havia muito trânsito, uma fila bastante cerrada, mas que avançava com lentidão. Eu seguia pela faixa mais à esquerda, encostado ao eixo da via. Ao meu lado direito, na faixa do meio, seguia um camião com a cabine pintada de amarelo. É sempre um bocado incómodo irmos ao lado de um camião, não só por causa do barulho, mas sobretudo porque causa um pouco de claustrofobia o receio, mesmo que completamente infundado, de que se ele tomba para cima de nós não há como escapar.
Entretanto o trânsito à minha frente avançou um pouco e eu acelerei na esperança de me afastar do camião. No momento em que descolei e o deixei para trás, ouvi o barulho de uma derrapagem e olhei pelo espelho retrovisor. Entre a traseira do meu carro e a cabine do camião estava um carro branco, julgo que um Opel Corsa, a dar piões. O carro estancou atravessado entre as duas faixas, a da esquerda e a do meio, e o camião estancou desviado para a faixa da direita, para não bater no carro.
Eu, ainda lívido e atónito daquele pequeno encontro com deus, lá me afastei devagarinho, a olhar pelo espelho para o trânsito parado lá atrás, tentando, sem o saber, que a canção da Lila me restituisse desta vez o ritmo para continuar a respirar normalmente.