June 30th, 2006

rosas

músicos

Ontem à noite fui visitar a nova livraria Almedina, que abriu no Estádio, do lado sul, e fiquei com a impressão de que é uma das melhores livrarias da cidade, se não em quantidade, pelo menos na qualidade da selecção das obras. Não é aquela coisa do lixo editorial, que nos inunda a vista quando entramos numa das livrarias tipo centro comercial; parece haver uma preocupação literária e acontece uma coisa que não é muito frequente, que é ver livros que apetece comprar. Assim haja, é claro, compradores para tantas livrarias que têm aberto em Coimbra.

E tive sorte, porque ontem na Almedina decorria um show case de apresentação de um cd duplo com as obras completas para dois pianos de Sergei Rachmaninov, pela dupla TwoPianists formada por Nina Schumann e Luís Magalhães. Para além da oportunidade de ouvir quatro dos temas (ou melhor, quatro andamentos de temas) incluídos no cd, foi também muito interessante ouvir as explicações dos dois músicos acerca das obras e do seu trabalho à volta delas e que culminou na gravação deste disco. A título de curiosidade, os dois pianistas são casados e vivem e trabalham na África do Sul (Nina é sul-africana, Luís é português), e têm um website que vale a pena visitar: www.twopianists.com.

Quando cheguei a casa e me preparava para ver o episódio da noite de The L Wolrd, apanhei na RTPN um documentário sobre as gravações do novo cd de Chico Buarque, Carioca. Que fascínio, assistir ao processo de criação de um disco. Que fascínio acompanhar o Chico, o seu trabalho com os músicos, perceber a sua relação com as canções.
Há uma altura do filme em que é apresentada a canção Bolero Blues. Chico conta que a melodia dessa canção lhe foi passada pelo baixista Jorge Hélder, como sendo uma canção impossível de escrever, e que quer fazer uma surpresa ao músico apresentando-lhe a letra que conseguiu escrever para ela. Os músicos brincam que Hélder se vai torcer todo com a letra e telefonam-lhe a marcar encontro no estúdio. Na ocasião do encontro, enquanto Jorge Hélder vai preparando o seu baixo Chico começa a falar-lhe da canção e pede-lhe para a tocar no violão. Quando percebe que Chico escreveu a letra, Hélder sai da sala, muito perturbado. Regressa uns minutos depois, muito comovido. Tocam a canção, Jorge Hélder no violão, Chico a cantar. No fim, Chico brinca com ele a dizer que a letra é má, que não serve a canção, mas Hélder continua muito comovido com o facto de Chico ter escrito uma letra para a sua canção. Esta sequência termina com um fade quando se ouve a voz doce de Jorge Hélder a pedir de mansinho: “Vamos tocar de novo?”