?

Log in

No account? Create an account

hard candy & more
rosas
innersmile
Fui ver este fim de semana o Hard Candy, de David Slade, que é um dos raros produtos cinematográficos que tenho visto que consegue reter alguma capacidade de surpreender. Não tanto pelo enredo, que, aliás, achei que nalguns momentos toca os limites da verosimilhança. Mas sobretudo pela narrativa, pelo modo como a história é contada, e pela espantosa capacidade do realizador de gerir a tensão que se estabelece entre os dois protagonistas e no próprio desenvolvimento da história. Para além de uma óptima fotogafia e de uma boa utilização da banda sonora, o principal trunfo do filme não pode deixar de ser o desempenho da Ellen Page, um rosto lindíssimo que a actriz consegue fazer atravessar por sentimentos de mágoa e de tristeza, mas também por uma certa candura e determinação que fazem parte da adolescência.

Para além deste, vi mais dois filmes em dvd. Rize, do David LaChapelle, que é sobretudo conhecido como fotógrafo (e realizador de clips musicais?). Tinha muita curiosidade em ver o documentário, para mais porque esperava algumas pontes com o filme de Larry Clark que vi a semana passada. Não consigo definir exactamente porquê, mas o filme de La Chapelle pareceu-me pouco amadurecida, pouco desenvolvido. O tema, a importância da dança como meio de expressão cultural, social e individual entre as camadas jovens das populações mais pobres de LA, pedia um olhar mais intenso, de certa forma mais crítico, mais profundo. Acho que o filme falha a coisa mais essencial, que seria tentar perceber que tipo de força anima quem tem na dança de rua o seu passaporte de sobrevivência.
O outro filme visto passou há alguns meses aí nas salas, Kiss Kiss Bang Bang, de Shane Black, com o Robert Downey Jr e o Val Kilmer a fazer o mais improvável e cool dos detectives gays! Acho que o filme é eficaz a criar uma certa alternativa, impregnada de humor e de um olhar que raia a farsa e a sátira, ao modo clássico de contar um thriller. O problema é que não passa muito disso, e há alturas em que é mesmo um bocadinho arrastado e pesadote.
Tags: