?

Log in

No account? Create an account

(no subject)
rosas
innersmile
Não encontraste a rua
Não encontraste a casa
Não encontraste a mesa
No café que alguém
Por engano indicou.

Mas a cidade é esta
E não outra

Não encontraste o rosto

O anel caiu
Ninguém sabe aonde.


- Alberto de Lacerda

6fu
rosas
innersmile
Não sei se é impressão minha, mas em cada nova série de episódios de Six Feet Under parece que aquele pessoal está cada vez mais disfuncional. O episódio de ontem, o quarto desta quinta (e última, ohhhhh) série, foi incrível, os tipos estavam todos descontrolados. A começar, claro, pelo Billy, mas esse é oficialmente louco. A festa de anos do Nate foi uma coisa inacreditável de tensão, parecia um vulcão à beira da explosão. A série é, obviamente, muito bem escrita, ou não fosse a criação de um argumentista, cada episódio é construído com minúcia e rigor; a festa de anos do Nate foi exemplo disso. A forma como aquela intercorrência do pássaro que vai entrando pelas janelas, ao mesmo tempo que fornece uma leitura simbólica dos acontecimentos, vai ajudando a estabelecer e a definir a situação.
Já devo ter dito que a minha personagem preferida é a Ruth. Acho a personagem mais verdadeira, não no sentido de mais verosímil, mas mais verdadeira com ela própria, aquela que vive com mais consciência (falar de consciência a propósito de uma personagem de ficção é estranho) o seu destino, a sua condição. Mesmo quando está em pleno processo de desagregação, como está a acontecer neste momento do enredo, e como aconteceu ontem quando desatinou com a Claire por esta ter feito um comentário ao seu discurso na festa de aniversário.
Outros dos meus momentos referidos é quando Nathaniel, o pai, que morreu no primeiro episódio da série, vem conversar com os filhos, sobretudo com Nate. Ontem isso tornou a acontecer, a propósito da crise dos quarenta. O pedaço que eu fixei, foi quando o Nathaniel se vira para o filho e lhe diz: há apenas duas espécies de pessoas, tu e todas as outras. Eu sei que parece brutalmente egoísta, mas também é brutal e dolorosamente verdadeiro.