March 5th, 2006

rosas

a decent chap

Faltam poucos dias para Jorge Sampaio deixar de ser Presidente da República. Nunca votei em Sampaio. Na primeira candidatura desconfiei de uma certa ideia de pureza de esquerda, um certo visionarismo iluminado, uma coisa quase religiosa. Na segunda, era tal o unanimismo que aproveitei para um devaneio qualquer. Francamente, nem me lembro em quem votei nessa segunda eleição; mas lembro-me em quem votei na primeira e nem quero falar nisso!...
Mas agora que faltam poucos dias para Jorge Sampaio deixar de ser PR, confesso que tenho pena. Não é que esteja isento de defeitos, mas de certo modo Sampaio representa uma ideia, ou ao menos uma imagem, do Portugal de que eu gosto. Não há ponta de snobismo nisto, mas gosto da ideia de um Portugal culto, cosmopolita, ateu, humanista, bem-humorado, sem complexos de inferioridade mas também sem a mania provinciana de que somos os melhores da nossa rua mesmo que haja pouca gente a dar por isso.
No seu Diário da Índia, o embaixador Marcello Duarte Mathias, insuspeito de sintonia política, afirma isto de Jorge Sampaio: «Não há nele vaidade de espécie alguma, antes o propósito de dialogar e entender. Impressão de estar perante um homem de bem, 'a decent chap'». Acho que isto resume bem a personalidade, e a maneira de estar na Presidência da República, de Jorge Sampaio. Pode parecer pouco, mas é importante e definidor de carácter.
Acho que vou ter saudades do Presidente Sampaio.