November 11th, 2005

rosas

albadulake e a política cultural

Ontem fui ao Gil Vicente ver um espectáculo do grupo espanhol Albadulake, Malaje, que junta circo e flamengo flamenco no mesmo movimento. Seis pessoas em palco: um malabarista, um guitarrista e cantor, um percussionista, uma dançarina de flamengo flamenco, uma clown e um acrobata. Bem, tudo muito bonito, muito engraçado, um público muito escasso (como já vem sendo hábito) e um bocado frio (só no fim se ouviram aplausos a sério). Agora, o acrobata, meu deus, acho que nunca vi um tipo tão bom assim tão perto de mim. É melhor a conversa nem seguir por aqui por causa das susceptibilidades... Das minhas, claro!

Quando cheguei ao TAGV decorria ainda no bar do primeiro andar um debate sobre políticas culturais, onde despontavam algumas luminárias, entre elas, as que reconheci, o director do instituto das artes e o antigo presidente da Coimbra 2003. É sempre bom assistir assim a um bocadinho destas coisas para nos lembrarmos porque é que não as frequentamos habitualmente. Naqueles dez minutos finais a que assisti, ouvi as imprecações do costume, a falta de apoios, de condições. Alguém reclamava de que os teatros que recentemente têm sido recuperados têm os palcos pequenos ou não têm teia, o que inviabiliza a realização de espectáculos.
O ponto é que logo a seguir desci para a sala, que estava vazia. As luminárias, salvo um ou outro habitué, desapareceram. As duas pessoas da assistência que ouvi falar, também não estavam no espectáculo. Foi pena. Perderam todos oportunidade de ver como se faz um espectáculo com relativa escassez de meios, mas com talento de sobra. Perderam oportunidade de ver como se produz um espectáculo que tanto pode ser levado à cena num teatro como montado num recinto de feira. Perderam ainda a oportunidade de perceber como se pode montar um espectáculo moderno e ao mesmo tempo tradicional, que entretém e ao mesmo tempo respeita as tradições culturais, que é leve e descontraído mas que por ele passam algumas das coisas mais essenciais da cultura de um povo.