May 26th, 2005

rosas

celadon +

Fui ontem ao CAE, da Figueira, ver Celadon, uma peça de teatro com a Ana Bola e a Maria Rueff. Quer dizer, não era bem uma peça de teatro, era antes um longo sketch televisivo-revisteiro, que explora um tipo de caricaturas em que as duas actrizes são realmente exímias. Apesar do interesse muito limitado, e da duração um pouco exagerada da função, foi um espectáculo divertido, com dois ou três momentos de óptimo humor.

Na sua crónica semanal no Público, o José Pacheco Pereira propõe um inventário (que ele refere que vem do seu blog, o Abrupto, e que foi feito em colaboração com os leitores do blog e com outros blogs) dos 50 principais momentos políticos desde o 25 de Abril. Na primeira parte de hoje, os primeiros 25 que cobrem o período desde 74 até 1985. Muito interessante, até porque nos ajuda a olhar para a nossa história recente em perspectiva, sistematizando a cronologia e reflectindo a importância de cada um desses momentos.
A propósito de um desses momentos, a independência de Angola, Pacheco Pereira refere-se à descolonização e ao regresso dos chamados retornados, em 1975-1977. É interessante, porque de repente temos perante nós, com o frio rigor de uma cronologia, um acontecimento de que fomos particulares protagonistas. À escala, claro, mas apesar de tudo protagonistas. E é curioso o efeito de ver um acontecimento que nos marcou, que influiu decisivamente na nossa vida, ser despachado assim em duas ou três linhas de texto. Não estou a reclamar, ora. O que estou a tentar dizer é que é sempre muito interessante podermos olhar para as nossas vidas com a perspectiva do tempo, sobretudo do tempo histórico. As coisas ganham outro recorte, outra definição, inversamente proporcional à nossa capacidade de olhar para elas, de olhar para nós na verdade, com maior ou menor emoção.