?

Log in

No account? Create an account

qaf
rosas
innersmile
Mantém-se no alinhamento da programação televisiva do site da estação, a estreia, logo à noite, de Queer As Folk, no canal 2: da rtp.
Escrita por Russell T Davies, esta série do Channel 4 causou furor (e muito escândalo) quando estreou em Inglaterra, em 1999, por ser a primeira vez que todo o universo narrativo de uma série dramática era dedicado a personagens e tramas homossexuais. Entretanto, já houve uma segunda série inglesa, que eu vi de raspão durante umas férias em Londres, e nos EUA a série foi adaptada e já vai em três ou quatro conjuntos de episódios.
Para além da importância de poder ver a série em Portugal, e num canal público de televisão (o Channel 4 é privado) há ainda o gozo acrescido dela estrear num dia 13 de Maio! Ou é milagre da senhora de Fátima, ou uma grande distracção, ou alguém na rtp tem um sentido de humor muito fininho.

in good company
rosas
innersmile
Segundo filme com a Scarlett Johansson numa semana: é natal, ou é natal?
In Good Company é uma surpresa, apesar e não ser um grande filme. Movendo-se no género da comédia dramática, conta a história de um executivo de uma grande empresa que é um ‘family-man’, e que se vê confrontado com uma equipa de jovens turcos da gestão. A primeira nota interessante do filme é que ele põe em confronto, digamos assim, o bom capitalismo e o mau capitalismo (este marcado pelas multinacionais das novas tecnologias), exaltando as virtudes do primeiro que põe as pessoas em primeiro lugar. A outra nota interessante do filme é que ele consegue centrar-se nas teias e nas subtilezas emocionais que constituem e ligam as personagens, mostrando que o sucesso, nomeadamente profissional e material, não significa necessariamente a estabilidade emocional e sentimental. Claro que nestes dois aspectos é mais ou menos legível um certo programa ligado aos valores tradicionais, mas a verdade é que isso não se impõe à desenvoltura narrativa do filme, que é sempre muito agradável de seguir.
Três óptimos actores nos principais papeis: ‘la’ Scarlett, que é um dínamo luminoso de energia e maravilhamento, o sempre seguro Dens Quaid, que parece estar a viver uma ‘segunda’ carreira auspiciosa e o surpreendente Topher Grace que consegue emprestar tanta subtileza e contenção à sua difícil personagem, que assegura, só por si, o sucesso do filme.
In Good Company parece um daqueles filmes que já não existem: uma história simples, adulta, com a dose justa de superficialidade recreativa e de seriedade profunda para ser interessante e divertida, com excelentes desempenhos, uma banda sonora bonita.
Tags: